capa
Quinta, 25 Outubro 2018 15:50

Como larguei tudo para viver a vida que queria

Eu sentia falta de liberdade, gostaria de entrar e sair a hora que quisesse.
Por Diário do Litoral
De Santos

    Por Chatus

    Texto: Jefferson Greco

    Eu tinha tudo que um bichano padrão poderia querer, mas aquela vida igual a tantas outras me incomodava, eu sabia que a vida poderia ser muito mais que uma casa quentinha, um humano para me alimentar e duas crianças para me mimar.

    Eu sentia falta de liberdade, gostaria de poder entrar e sair a hora que quisesse, de fazer o que tinha vontade na hora que bem entendesse. Eu me sentia como aqueles seres racionais que se julgavam meus donos, e que estavam o tempo todo a fazer coisas que não gostavam, que cumpriam horários que as violentavam e tudo isso em nome de um conforto que, hipoteticamente, seria para trazer, em última instância, a felicidade. E vejo, claramente, que os fins se confundem com os meios.

    Para honrar minha nobre linhagem felina, tão reconhecida pela sua inteligência, não poderia cair nessa mesma armadilha, então reconsiderei tudo aquilo que era mais importante para mim, que era estar ao livre, poder me comunicar com quantos quisesse, pedir carinho para aqueles que eu tivesse vontade e ver o mundo por muitos ângulos diferentes.

    Claro que assumi muitos riscos, tanto em relação à minha integridade física, pois estaria sujeito a tudo o que acontece nas ruas e, principalmente, em relação à minha existência, pois não haviam mais garantias quanto a minha ração diária. Porém, novamente olhei para cima e vi humanos tão infelizes vendendo suas vidas por porções de ração, que eu, definitivamente, não gostaria de replicar esse comportamento.

    Hoje vivo a vida de meus sonhos, escolhi a porta de uma Escola para viver, ganho mil carinhos por dia e comidinhas especiais, durmo em cima dos carros com seus motores quentinhos, enfrento e intimido cachorros, tenho medo do gato preto, fiz muitas amizades e tenho uma casa laranja ao ar livre, para que nos dias de frio eu possa observar o movimento de lá.

    Tive coragem para largar toda aquela estabilidade para trás e ir atrás do que eu queria realmente, quebrando paradigmas e descobrindo coisas novas a cada dia. Agora olho para trás e vejo que tudo valeu a pena.

    Eu sou o Chatus, um gato preto e branco, que vive na frente da Escola DeROSE Method, no Boqueirão, na Rua Acácio Nogueira, 16. Passe aqui para conhecer meu lifestyle.